Joana leu: Animais fantásticos e onde habitam, de Newt Scarmander (J. K. Rowling)

Animais fantásticos & onde habitam Newt Scarmander (J. K. Rowling) editora Rocco 64 páginas "Em 'Animais fantástic...

Animais fantásticos & onde habitam
Newt Scarmander (J. K. Rowling)
editora Rocco
64 páginas
"Em 'Animais fantásticos e onde habitam' o leitor pode encontrar descrições sobre todos os animais do mundo bruxo, em detalhes, descobrindo, inclusive, se ele é pode conviver pacificamente com humanos. Escrito por Newt Scamander e com prefácio de Alvo Dumbledore, o livro tem sido adotado pelos professores da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts e é considerado como a principal razão dos bons resultados obtidos pelos alunos de Trato das Criaturas Mágicas. A obra não é restrita aos estudantes e diz-se que nenhuma casa bruxa está completa se não possuir um exemplar."

Mais uma vez, J. K. Rowling escreve sobre o universo Harry Potter e aproveita para ajudar a quem precisa: a escritora cedeu todos os direitos de publicação desse livro para a Comic Relief, organização humanitária criada por comediantes britânicos para ajudar crianças carentes.

Aqui, sob o pseudônimo de Newt Scamander, Rowling cria um guia com mais de 80 espécie de animais mágicos, e descreve seus hábitos, costumes e origens. Como se fosse uma duplicata do livro utilizado pelo próprio Harry em sala de aula, o livro traz diversas anotações feitas por ele seus amigos nos rodapés das páginas, e até alguns comentários irônicos sobre as características de alguns animais, de acordo com as aventuras que viveram na escola, como no caso do Diabrete da Cornualha, que está classificado como "XXX = bruxo competente pode enfrentar", e Roni escreveu ao lado "mas XXXXXXX se você for o Lockhart".


 
Na 52ª edição, o manual tem explicações sobre a importância de cada animal para a comunidade mágica e a percepção dos trouxas sobre eles, além de ensinar por que os bruxos devem mantê-los ocultos em habitats seguros. Newt apresenta para os leitores as normas impostas pelo Departamento de Regulamentação e Controle das Criaturas Mágicas do Ministério da Magia, que visam preservar os animais fantásticos, e proporcionar aos bruxos a chance de apreciar os poderes e a beleza de todos eles.

No início do livro há uma breve descrição do autor, onde os meninos aproveitaram para fazer mais uma observação engraçada, e um prefácio escrito por Dumbledore falando sobre como se sentiu honrado em fazê-lo e também ressaltando a importância da Comic Relief na ajuda às crianças carentes. Ele também ressalta que o autor tem se sentido ofendido com as constantes pichações feitas em seu livro por alunos de Hogwarts ao longo dos anos, como essa:



Hagrid é citado pelas notas de rodapé de Harry em vários momentos, como na parte que fala sobre a venda e a criação de criaturas mágicas, e a proibição da criação experimental, dizendo que Hagrid não foi avisado disso ou na classificação de periculosidade dos animais com "XXXXX = mata bruxos/impossível domesticar", onde eles rabiscaram: "ou qualquer coisa que Hagrid goste".


Os animais estão classificados em ordem alfabética, mas Rowling pediu que, na tradução do livro, fossem mantidos os nomes originais em inglês e escritos em português entre parênteses. Alguns têm imagem:



Assim como "Contos de Beedle, o bardo", aqui também vemos na primeira página um espaço para colocar o nome do dono do livro, e é claro que Harry, Ron e Hermione fizeram suas próprias notações na página inteira, implicando um  com o outro:



O livro é bem organizado, e parece realmente ser um livro didático usado por um estudante. Só por ter relação com Harry Potter já seria obrigatório para todos os fãs, ainda mais por se tratar de um livro que vai ajudar crianças carentes com toda a renda conseguida com suas vendas. Isso garante a Rowling mais um sucesso.

Joana Masen
@joana_masen

Veja também

0 pronto, falei!