Cinematura – Extremamente alto & Incrivelmente perto

Lembro que há alguns anos atrás estava assistindo ao Oscar e me deparei com alguns comentários sobre Tão Forte e Tão Perto , de que o filme...

Lembro que há alguns anos atrás estava assistindo ao Oscar e me deparei com alguns comentários sobre Tão Forte e Tão Perto, de que o filme com Sandra Bullock e Tom Hanks não era grande coisa. Esse é o tipo de comentário que me faz querer assistir a um filme. Confesso que não tinha achado grande coisa também, até achar o livro que deu origem ao filme, o Extremamente Alto, Incrivelmente Perto, no saldão por R$ 3,90. Adoro comprar livros baratos, mas confesso ter um pé meio atrás quando a esmola é demais. 
Li com certa relutância e esse se tornou um dos meus livros preferidos. Parte dessa adoração se deve ao autor, o Jonathan Safran Foer (que também escreveu Tudo Está Iluminado). Ele criou uma narrativa interessante, com duas histórias paralelas, que no final se encontram e dá todo o sentido. 
O filme conta a história de Oskar, um garotinho de 9 anos que perde seu pai no acidente de World Trade Center. Acostumado a desvendar mistérios com a ajuda do pai, Oskar um dia encontra uma chave nos pertences dele e decide descobrir o que ela abre. Para ele, o pai armou tudo só para que ele encontrasse.
Oskar é uma criança extremamente cativante, em que se descreve como desenhista de joias, astrofísico, estudante de francês, tocador de pandeiro, ator shakespeareano, inventor e pacifista. Isso é porque ele é uma espécie de gênio, que sofre com distúrbios de ansiedade e possui dificuldade pra se relacionar com desconhecidos. Por isso, a perda do pai é tão difícil de enfrentar, já que são melhores amigos.
Por se tratar de uma obra tão complexa, é que talvez o filme não tenha conseguido captar as angústias de Oskar e a história que é contada paralelamente. Mas não deixa de ser uma boa pedida, principalmente pelo ator que o interpreta, o lindinho Thomas Horn. De fato, Tom Hanks e Sandra Bullock acaba ficando de lado com o carisma do jovem ator. Também não é um daqueles roteiros fiéis a obra original, mas que nesse caso é um ponto positivo. Dezenas de coisas não funcionariam na grande tela. 
Esta é uma história sobre perdas, separações e perspectivas. É uma aventura bem contada e emocionante, que eu recomendo de coração aberto. 
Sandy Quintans
@sandyquintans

Veja também

0 pronto, falei!