Joana leu: Espíritos de gelo, de Raphael Draccon

Espíritos de gelo Raphael Draccon editora Leya 176 páginas "Um homem acorda acorrentado, com os braços para cima, em uma sala...

Espíritos de gelo
Raphael Draccon
editora Leya
176 páginas
"Um homem acorda acorrentado, com os braços para cima, em uma sala escura, com dois torturadores vestidos com detalhes masoquistas ao lado e um interrogador baixinho, vestido com roupas sociais e uma camisa surrada do Black Sabbath. Eles o informam que ele acordou em uma banheira sem um rim e sofreu um choque amnésico, que o impede de lembrar os detalhes. Assim sendo, eles partem do princípio de que  outros choques traumáticos podem desbloquear essas memórias, se necessários. E se iniciam as piores partes. O livro faz referências à lenda urbana da banheira de gelo, às lendas ao redor da história do rock'n'roll e até às motivações e psicologia ao redor da criação das lendas urbanas."

Esse foi o primeiro livro do Draccon que li e já me encantei! A escrita dele é moderna e a leitura flui muito bem.

Sem nenhuma explicação, um homem acorda num lugar estranho, amarrado, e com três pessoas que ele nunca viu, uma lhe fazendo perguntas e as outras duas lhe espancando a cada resposta que eles julgam incompleta ou irônica. O torturador quer que ele conte o desfecho de uma história da qual ele não consegue se lembrar, e usa as mais diversas formar de causar dor, dizendo que isso o ajudará a recordar tudo o que aconteceu. Eles estão numa sala escura, quente, abafada, fedida e com chão úmido, que me lembrou bastante o quarto de torturas do livro "1984".

"Lá dentro daquela sala se escutavam gritos que vinham de fora e, por mais longe que as outras salas estivessem, pareciam vir de dentro; porque pareciam vir de nós mesmos."

Aos poucos o método realmente vai fazendo efeito e o homem preso começa a narrar sua história desde que conheceu uma linda mulher chamada Mariana Slaviero até o momento em que foi encontrado numa banheira cheia de gelo com apenas um rim. Não é spoiler dizer que o protagonista se lembra de como acabou naquela situação, já que a história narrada por ele é muito mais intrincada do que podemos imaginar.

Nosso protagonista se envolve com Mariana e descobre que a moça faz parte de um tipo de seita, para onde ela quer levá-lo também: o grupo de participantes, guiados por um guru esquisito, se encontra no templo em busca de prazer sexual profundo, além do normal alcançado pelas pessoas. Ali praticam sexo transcendental e esperam atingir um nível de satisfação quase espiritual. Quase todo o foco da trama está nas atividades desse grupo, e é ali que acontece o fato principal que leva o protagonista a perder um rim e não se lembrar de como aconteceu.

É interessante a forma como o autor conduz a narrativa, usando como linha temporal os lugares onde cada fato aconteceu (cativeiro, mansão, motel, ponte etc), deixando implícito para o leitor quando a cena está acontecendo no tempo presente e quando o narrador está contando algo do passado.

Além disso, o livro é muito atual, cheio de citações de filmes, livros e, principalmente, bandas de rock contemporâneas; diferente de outros autores, Raphael Draccon fala claramente sobre essas referências, e não as usa de forma metafórica, exigindo que o leitor as decifre pelo contexto da estória. Ele cita Neil Gaiman, Irmãos Grimm, O Senhor do Anéis, Eu sei o que vocês fizeram no verão passado, Rolling Stones, Black Sabbath, Rain Man, Beatles, Sr. Miyaghi e até Edward Cullen, e essas referências não ficam forçadas. Elas se encaixam no enredo de forma natural e, muitas vezes, dão um toque descontraído à narrativa.

Alguns dos diálogos entre o protagonista e seu torturador são muito interessantes, quando eles debatem de forma divertida temas sérios e profundos, e isso contribui para que a leitura seja dinâmica e prazerosa.

O final do livro é muito bacana: além de fechar a estória com acontecimentos totalmente plausíveis, o autor ainda disserta sobre lendas urbanas e a forma como elas se espalham. E também dá para tirar uma lição do desfecho da trama.

Draccon conseguiu me convencer com sua escrita atual e sua forma inteligente de contar uma boa estória. Em alguns momentos seu estilo me lembrou um pouco o de Tony Bellotto, e isso me fez gostar ainda mais da leitura. O ponto forte da narrativa com certeza são as referências, mas a estória como um todo é muito boa, e é totalmente possível terminar a leitura em apenas um ou dois dias, já que o enredo prende a atenção do leitor, que fica, a cada capítulo, esperando descobrir como se resolve o mistério que nem o próprio protagonista consegue lembrar.

Joana Masen
@joana_masen

Veja também

0 pronto, falei!