Vamos falar sobre jornalismo

Eu e Helen achamos que seria muito legal falar um pouco sobre as nossas profissões. O mais legal é pensar que começamos o blog antes de ...


Eu e Helen achamos que seria muito legal falar um pouco sobre as nossas profissões. O mais legal é pensar que começamos o blog antes de seguirmos nossas carreiras que temos agora. Mas o mesmo interesse que nos levou a montar o P! é o que nos motivou a seguir nossas escolhas, por isso é também a alma no blog.

Como vocês sabem (pelo menos quem acompanha o blog), acabei de me formar em jornalismo depois de uma jornada de quatro anos. Eu nunca pensei que essa seria a minha profissão. Mas pra falar a verdade, quando era criança não me imaginava em muitas profissões.

Eu comecei a escrever em blogs quando eu tinha uns 16 anos e desde então tem sido minha fascinação. Eu acho fantástico que exista um lugar onde posso compartilhar uma parte de mim, dividir experiências e criar coisas. Tudo isso eu aprendi fazendo blogs, mesmo que pessoal, e foi justamente assim que eu descobri que amava escrever. Eu não achava que isso poderia me levar a uma real profissão, porque eu sempre soube que minha capacidade de criar e inventar histórias é bastante limitada.

Um belo dia meu pai me propôs investir em uma faculdade e eu não tinha muita ideia do que eu queria fazer. Já fazia um tempo que tinha terminado a escola, mas não tinha pensado muito em profissões. O jornalismo acabou surgindo como uma revelação, mas que acabou sendo a coisa certa pra mim. Não consigo me imaginar em outra profissão, mesmo com cada pedra gigante que isso me proporcione.

Faculdade

Eu e minha turma no primeiro ano de faculdade. 
Logo que comecei com essa ideia de ingressar na faculdade de jornalismo, diversos questionamentos começaram a surgir, como por exemplo, o de que não é necessário diploma para exercer a profissão. Mas o pensamento de que eu não tinha ideia do era jornalismo me fez continuar com o plano. Tudo o que eu sabia era que eu queria usar as palavras pra levar algo útil às pessoas, que pudesse transformar algo e ainda unir com aquilo que me fazia feliz.

Depois destes quatro anos não me arrependo da escolha que fiz, pois isso me preparou para enxergar a profissão de uma outra maneira. Mesmo sendo algo  em que o aprendizado é quase que inteiramente na prática, é muito mais fácil entender os desafios quando você tem orientação para isso. Na faculdade acabamos aprendendo muito mais nos exemplos e situações, mas também há uma boa bagagem de matérias teóricas, que nos fazem entender os princípios da profissão.

E nós no último ano. Muitos se foram e alguns outro chegaram. 
Trabalho

Eu não vou negar, a carreira é complicada. Não há salários tão bons quanto a quantidade de trabalho e cada vez mais nos tornamos profissionais multimídias, isto é, quem contrata leva três por um. Mas ao mesmo tempo que é difícil, é uma carreira com grande possibilidades. Dá pra trabalhar em empresas, agências, além dos veículos de comunicação. Acredite, muitas pessoas vão achar que você vai virar repórter da Globo, mas na prática há milhares de outras opções mais interessantes dentro da profissão.

Mais tarde eu descobri que as pessoas não escolhem o jornalismo, elas nascem jornalistas. Foi por isso que a minha decisão foi tomada da forma como foi. Temos uma personalidade especifica, de quem quer saber das coisas sempre (e de preferência antes de todo mundo). Meu destino na profissão eu ainda não sei. Minha paixão pela profissão nasceu web, mas meu sonho de consumo é trabalhar em um veículo impresso. Mas isso é história para um outro texto, não é mesmo?


Nas próximas semanas a Helen irá trazer pra vocês todas as dezenas de profissões dela, podem apostar. E quanto à mim, quem quiser pode ficar à vontade para trazer dúvidas e curiosidades.

Sandy Quintans
@sandyquintans

Veja também

0 pronto, falei!