Capitão Fantástico

Fazia um tempo que eu não encontrava um filme que me fizesse um carinho no coração. Sabe quando você termina de assistir e dá uma suspirad...

Fazia um tempo que eu não encontrava um filme que me fizesse um carinho no coração. Sabe quando você termina de assistir e dá uma suspirada de alegria? Foi exatamente essa sensação que eu tive quando vi Capitão Fantástico no fim do ano passado. Confesso que ele entrou na minha lista interminável de filmes repetidos, pois já assisti algumas vezes desde então e é sempre uma experiência nova.


O tal Capitão Fantástico se refere ao personagem de Viggo Mortensen (indicado ao Oscar pelo papel, inclusive), que é pai de seis filhos e dedica a vida para torná-los pessoas extraordinárias. Basicamente, eles vivem no meio da selva e passam por uma série de treinamentos físicos (eles até aprendem a caçar pra sobreviver!) e mentais (estudam absolutamente tudo que já foi escrito pelo homem). É uma ideia louca, mas muito interessante. São crianças extremamente inteligentes, mas ao mesmo tempo super inocentes por viverem em uma floresta, o que acaba gerando um monte de situações super engraçadas.


Algumas pessoas definem o filme como a mistura de Pequena Miss Sunshine e Na Natureza Selvagem e é realmente esse clima que o filme tem. As crianças são todas incríveis e o entrosamento delas é tão legal que já vale as duas horas de história. Sem contar que também levanta questionamentos interessantes sobre educação e as relações familiares. 


Eu não quero ficar falando da trama porque acho que saber demais acaba estragando um pouco a experiência. Acho que até por isso que gostei tanto. É um filme que tem de tudo um pouco e com roteiro e personagens muito bem desenvolvidos, cheios de críticas interessantes, mas que também tem espaço pra emoção. Assistam, sério 



Sandy Quintans
@sandyquintans

Veja também

0 pronto, falei!